sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Por que não suporto canto de galo

Diferente do latido do cachorro, que incomoda simplesmente pelo barulho, o canto do galo traz uma melancolia, um descontentamento, um presságio fúnebre. Talvez porque o galo já vá dormir anunciando o despertar. E a sua pressa me incomoda. Quem mora perto de algum entende o que eu falo. Parece que ele passa a madrugada inteira avisando que o dia vai amanhecer, só que ainda não amanheceu, então por que ele não cala o bico e vai dormir? Quem sofre de insônia ver o dia se aproximar a cada canto. É um pesadelo!

Me lembro quando ainda criança, de acordar pelas três ou quatro horas da madrugada pra viajar para a cidade vizinha. O ônibus saía muito cedo porque seu destino final era a cidade de Mossoró, 4h de distância, então era preciso chegar o quanto antes na parada. Essas viagens para a casa da minha tia eram sempre uma festa, mesmo que o motivo fosse uma consulta médica ou um exame, afinal, o encontro com as primas era farra garantida. Porém, levantar cedo e se preparar para a viagem ainda era uma tortura. Entre luzes acesas, sonolência e lençóis sendo puxados, aquela cantoria infernal rompendo a madrugada: o galo!

Além da sensação de estresse por acordar àquela hora, obrigando a pupila a se contrair a cada piscada em contato com a luz do quarto, ainda era forçado a escutar aquela ave avisando que o dia não tardava a chegar, embora não tivesse chegado ainda. Na parada esquecida por todos, menos pelos galos, minha mãe, minha avó e eu aguardávamos de braços cruzados o ônibus passar. Esses minutos eram os mais tediosos. Podia sentir  no ar o desconforto daquela espera. O frio, o sono, os olhos puxados, a impaciência, tudo pedia para que aquele momento passasse logo. E como demorava!

Alguns anos mais tarde, voltei a madrugar toda semana quando passei a morar na casa dos meus tios para estudar. Novamente o mesmo estresse pra levantar, a sensação de vazio, o desejo de ficar, a obrigação de ir... e o velho galo nos ouvidos. O frio, o silêncio e o aperto na estrada invadiam minha mente. A esperança de um dia não ser mais necessário repetir aquela viagem se somava aos conselhos do meu avô de que tudo na vida tem seu propósito. Isso tudo enquanto tentava mover algum membro do meu corpo de lugar, antes que ficasse dormente.

Inevitavelmente, tive que repetir muitas vezes aquela viagem, não só enquanto morei na casa dos meus tios, como depois ao fazer faculdade. Devido a contramão entre a minha cidade e Campina Grande onde estudava, o único horário disponível para pegar todas as conduções até lá era saindo de madrugada. Não havia alternativa. Com o celular pra despertar, encostava a cabeça no travesseiro e logo estava de pé, só não dava pra ter certeza se o que me acordava era mesmo o alarme ou o canto do bendito galo.

Hoje estou de certo modo livre dessa jornada, mas não totalmente livre do chefe do galinheiro. Toda noite antes mesmo que a madrugada tenha início, lá o escuto entoando seu canto de superioridade, ainda bem que os cachorros urinam ao invés de uivar pra demarcar território. Há quem aprecie uma boa sinfonia de galo, quem relembre seus tempos no mato, no sítio ou na fazenda, mas no meu caso essa cantoria sempre foi constante, e acreditem, por mais lembranças boas que possam trazer, todo dia não há quem aguente.

Posso estar sendo rigoroso demais com nosso amigo tenor, contudo, não posso desassociar seu canto dos momentos de insatisfação que vivi. Ele estava lá, e inconscientemente, toda a melancolia daqueles dias retorna ao seu sinal. A noite perde um pouco sua extensão, já que aquele que só deveria entrar em cena ao nascer do sol, fica a madrugada inteira ensaiando. E olha que nem estou considerando a crendice de que canto de galo fora de hora é indício de má sorte. Até porque se assim o fosse, ele já estaria extinto.

12 comentários:

  1. Oi Samuel!
    Tadinho do galo, ele é um solitário!Aqui perto tem um, coitado está totalmente desorientado canta às 10, 11 da noite. Gostei muito da crônica!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. a estória grega q explica pq o galo canta, avisando a Afrodite da aproximação de Hélios é uma das estórias mais bonitas da mitologia grega, e mais tristes tb.


    sobre a postagem do meu blog, vai ter q esperar pra saber como termina, hahaha.

    ResponderExcluir
  3. eu detesto cantoria de galo pra mim e um augorio, quando eles cantam cedo e melancolico pode esperar que morre gente, acho que por isso que eu detesto, minha vizinha tem um que canta que tem dia que me da vontade de entra na casa dela e pegar ele e leva pra bem longe daqui, detesto cantoria de galo, gosto de todas cantigas de bichos menos galo, se eu podesse matava todos, adorei o texto concordo com você.

    ResponderExcluir
  4. Oi Sam! Vim matar as saudades do celeiro. Tenho visitado pouco os blogs, ando triste ultimamente, um vazio que teima em se instalar por aqui. Detesto canto de galo,deixa-me ainda mais triste, lembro de quando mamãe morreu e o galo cantava...cantava na madrugada e até hoje acho insuportável...Ah! amei a foto de tia Josefa, voltei no tempo, olhando pra ela... preciso ir mais por ai. Soomos tão parecidos, ô familia cheia de manias kkkk.Abraços Sam>

    ResponderExcluir
  5. Caraca!Há anos nao escuto o canto do galo.

    Sempre tive o sono pesado,Nem despertador me acordava.Acredita que tenho que colocar 2 despertador de manha?hahaha.
    Abraços,menino.

    ResponderExcluir
  6. Eu odeio o "canto" do galo, aliás se o galo fosse mudo, seria um animal bonito, lindo mesmo, mas cantando é um pesadelo, mau presságio, a mim também parece que chama o azar, a morte, a desventura, a minha vizinha tem um há menos de um ano e logo no mês seguinte morreu a mãe e há pouco tempo atrás uma tia...mas insiste em ter aquele animal horroroso, que grita como se não houvesse amanhã para dentro do meu quintal, arrepia e deixa-me com os nervos em franja. E tem outra coisa, o galo não canta, pois nem tem cordas vocais, tem bolsas de ar e quando o solta, chega a atingir quase 90db e fere qualquer ouvido de gente normal...anormais são os donos...mas a continuar assim ainda vão acabar por morrer todos e depois eu vou lá buscar o bicho e meto na panela e dou aos cães, bah!

    ResponderExcluir
  7. Eu odeio o canto do galo..já perdi noites e sofri de estress...dá vontade de matar todos...Porque simplismente não são mudos como as galinhas....

    ResponderExcluir
  8. Belo texto. Interessante que muitos se referiram nos comentários a ligação do canto do galo com morte de alguém. Deve ser alguma tradição nordestina, pois no Rio e São Paulo não existe essa ligação cultural.

    ResponderExcluir
  9. Belo texto. Interessante que muitos se referiram nos comentários a ligação do canto do galo com morte de alguém. Deve ser alguma tradição nordestina, pois no Rio e São Paulo não existe essa ligação cultural.

    ResponderExcluir
  10. Muito bom o texto!parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Ainda bem que não estou só, pensei que só eu é que não gostava e canto de galo. Aqui onde moro Lagoa Nova em Natal RN,os vizinhos parece que resolveram se unir é criar esse animal, é um de cada lado da casa e na frente. Acho que não gostaram porque fui reclamar com a vizinha agora tá cheio de galo pra perturbar. Ô gente chata viu! esse povo que cria galo devia ir pro interior e não ficar na cidade com esses animais irritantes.

    ResponderExcluir

Colheitas